(Opinião) A dicotomia das chuvas: alegria para uns e tristeza para outros


Estamos vivenciando um momento de boas chuvas na região ibiapabana. Tem-se a expectativa de uma promissora colheita agrícola e uma diminuição no preço do feijão. Os riachos intermitentes ganharam vida e a Bica de Ipu voltou a jorrar um desaguar volumoso.

A alegria tomou conta do semblante do sertanejo e de muitos que vêem no inverno a possibilidade de obter fartura e abundância!

Porém, nem tudo são flores! Boa parte das cidades interioranas não possuem estrutura para evitar problemas com alagamentos. 

Crescimento imobiliário desenfreado, desmatamentos, construções em locais de risco, obras públicas inacabadas, tudo isso, além de outros fatores, favorecem as inundações e alagamentos em urbes.

É imperioso a atuação da defesa civil no sentido de esclarecer a população acerca dos cuidados necessários na ocorrência de inundações ou alagamentos, como também um plano de ação para socorrer as eventuais vítimas.

Listamos algumas dicas importantes, confira:
  • Não deixe crianças brincarem nas águas de inundações, alagamento e enxurradas. Além de vários perigos, elas poderão estar contaminadas.
  • Caso perceba que o volume de água está subindo, ameaçando seus bens, ponha-os a salvo, elevando-os. Mas atenção! Somente faça isso se não houver riscos.
  • Se, por algum motivo, ficar ilhado, ligue 193 – Corpo de Bombeiros ou Guarda Municipal de Ipu 999786640.
  • Proteja-se em locais elevados até a água baixar.
  • Fique atento às informações das rádios.
  • Estando em veículo, se possível, estacione em um local elevado e espere a água baixar.
  • Não fique próximo a caminhões ou ônibus. Veículos de grande porte provocam ondas que podem alagar o seu carro e fazer com que perca o controle da direção.
  • Não pare o carro próximo a árvores ou postes.
Evite atravessar áreas alagadas, só faça isso se for realmente necessário. Se precisar fazê-lo, atente para o seguinte:
  • Não tente atravessar vias com água acima da metade da roda (observe outros carros) e mantenha sempre a rota da rua sem fazer desvios, evitando buracos escondidos na margem.
  • Se precisar atravessar um local alagado: Ande em 1° marcha e devagar sem jamais trocar de marcha dentro d’água, mantendo a aceleração constante, por volta dos 2.500 giros, para evitar que entre água pelo escapamento e o carro apague.
  • Mantenha distância do carro da frente, pois, se o mesmo apagar, você tem a opção de fazer uma rota alternativa.
  • Se o carro morrer, não tente fazê-lo pegar. Solicite ajuda e, se possível, retire-o do local onde está parado, para que a água não entre no veículo causando panes.
  • Se não houver como movê-lo, não espere dentro do carro o volume de água diminuir, pois, na maioria das vezes, a tendência é aumentar e você poderá ficar preso ao veículo, sem poder sair. Veja a maneira mais segura de fazê-lo, se necessário aguarde por socorro sobre o carro.
  • Tente estacionar em regiões mais altas. Se o nível da água atingir o batente inferior da porta é hora de abandonar o veículo. Com água acima das rodas, o carro começa a boiar e fica sem controle. Se alcançar as janelas, ocorre o bloqueio das portas, impedindo a saída e dificultando o resgate.
  • Se não for possível abandoná-lo, chame por socorro e aguarde no teto do veículo.
Compartilhar

Sobre Rárisson Ramon

Rárisson Ramon, de Ipu - CE de nascimento e criação, é acadêmico de direito, faz participações em rádio e é blogueiro.