Coluna Professor Cláudio César: "M E R I T O C R A C I A"



"M E R I T O C R A C I A"

Por Cláudio César Magalhães Martins

“A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las” 
 Aristóteles

Meritocracia (do latim meritum, "mérito" e do sufixo grego antigo κρατία (-cracía), "poder") é um sistema de gestão que considera o mérito, como aptidão, a razão principal para se atingir posição de topo. As posições hierárquicas são conquistadas, em tese, com base no merecimento e entre os valores associados estão educação, moral, aptidão específica para determinada atividade. Constitui-se uma forma ou método de seleção e, num sentido mais amplo, pode ser considerada uma ideologia governativa.

Governos como os de Cingapura e da Finlândia utilizam padrões meritocráticos para a escolha de autoridades, mas misturados com outros.

Não surpreende que países governados por critérios meritocráticos alcancem resultados altamente positivos, além de reduzirem significativamente os índices de corrupção.

Não por acaso, os países escandinavos (Dinamarca, Suécia, Finlândia e Noruega) sempre estão no topo do ranking estabelecido pela ONG Transparência Internacional, sediada na Alemanha, como os que melhor aplicam os tributos recolhidos de suas respectivas populações. O resultado é que nesses países os níveis de pobreza são baixíssimos, a educação e a saúde, além de gratuitas, são de excelente qualidade e os índices de criminalidade situam-se próximos de zero.

No Brasil, infelizmente, a meritocracia é combatida ferozmente por professores e pensadores de esquerda. Em boa parte das universidades públicas vigora o sistema de cotas raciais, privilegiando candidatos de cor negra ou mesmo de origem indígena, em detrimento daqueles que despenderam grande esforço para ingressar em instituições de ensino superior. 

No campo da política, a coisa ainda é mais grave. Pessoas sem a devida competência, além de aéticas, ocupam cargos altamente especializados e vitais nas empresas estatais. Como resultado, ocorre o descalabro dessas empresas, com enormes prejuízos para o país e para os servidores que procuram ascender através de seu talento e esforço pessoal.

A ideologia marxista tem grande parcela de culpa na não utilização do sistema meritocrático. Não raro, o esforço e a capacidade individual são tratados como fatores "neoliberais", tendentes a prejudicar a "inclusão" e a "igualdade", dogmas que já levaram à ruína a União Soviética e seus satélites.

Um exemplo de meritocracia é o ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, negro, nascido de uma família humilde de Minas Gerais, mas que, por seu esforço e talento pessoal, formou-se em Direito, em 1979, pela Universidade de Brasília, cursou mestrado e doutorado na Universidade de Paris, chegando a ser nomeado, em 2003, para o STF, onde permaneceu até 2012. 

Como presidente da corte, teve atuação decisiva no julgamento da Ação Penal 470, conhecida popularmente como "mensalão." Barbosa provou que ter nascido numa família de poucas condições financeiras não conduz necessariamente ao fracasso. Através do esforço, da renúncia e do trabalho, ele conseguiu dar a volta por cima sem recorrer a cotas raciais e a apadrinhamento político.

Finalizando, gostaria de dizer que nosso país ainda tem um longo caminho a percorrer rumo à meritocracia e, consequentemente, ao progresso sustentável e duradouro. Para tanto, faz-se mister premiar os bons, abandonando o culto à mediocridade e à inveja que tem predominado nos últimos governos, que tanto prejuízo têm trazido a todos nós, brasileiros.

________________________________________
Professor Claúdio César é graduado em Ciências Econômicas pela UFC (1970-74);

- Mestre em Administração Contábil e Financeira pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas - FGV/EAESP - (1984-87);

- Técnico em Desenvolvimento Econômico do BNB (TDE), no período 1977-1995;

- Professor Adjunto da UECE, no período 1994-2014;

- Pró-Reitor de Administração da UECE (2007-2008);

- Atualmente, é vice-presidente da FUNDAÇÃO DE CULTURA E APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (FUNCEPE), em Fortaleza (CE). Escreve semanalmente ao Blog Expresso Ipu sendo colunista colaborador.
Compartilhar

Sobre Rárisson Ramon

Rárisson Ramon, de Ipu - CE de nascimento e criação, é acadêmico de direito, faz participações em rádio e é blogueiro.