Coluna Olívio Martins: "DESENVOLVIMENTO DO IPU"


Sou eleitor de Ipu e em todas as eleições venho exercendo o meu sagrado direito de votar. Não resido na cidade, embora lá tenha propriedade e domicílio eleitoral, e visito, com prazer e alegria, minha terra natal pelo menos três vezes por ano.

De 1997 para cá, tenho tido mais tempo, em face de minha aposentadoria, e venho também acompanhando o desenvolvimento do município que cresce a olhos vistos. Talvez nem todos os munícipes estejam satisfeitos com o ritmo de crescimento da cidade. Tinham, sem dúvida, maiores expectativas. Gostariam de ver mais obras, mais progresso. Mas as coisas seguem um ritmo normal de acordo com as circunstâncias. Em tempos de crises, o ritmo do crescimento diminui. Os antigos romanos diziam, sabiamente: “Festina lente”, ou seja, “Apressa-te devagar”. Parece um paradoxo, mas não o é.

Fator preponderante que impede um ritmo mais acelerado de nosso crescimento é a notória falta de representantes ipuenses na Assembleia Legislativa do Ceará e na Câmara dos Deputados em Brasília. É importante que o município tenha representantes naquelas casas legislativas.

Com a introdução do sistema parlamentarista que se anuncia - talvez já para as próximas eleições de 2018 - , o nosso município irá ser beneficiado, pois, pelo voto distrital, o candidato tem que representar a população que o elegeu. E ele vai ser avaliado a cada quatro anos.

Pelo sistema vigente, os deputados estaduais e federais não têm quase nenhum compromisso com os municípios onde foram votados. Compraram, infelizmente, os votos e se sentem desobrigados de trabalhar pelas comunidades que votaram neles por intermédios de chefes políticos.

Quando tínhamos na Assembleia Legislativa do Ceará os deputados Gomes Farias e Sávio Pontes, destinaram estes suas verbas parlamentares para a restauração da Estação Ferroviária de Ipu e da Igrejinha, dois ícones que, ao lado da Bica, projetam o Ipu no cenário estadual e nacional.

Com o lançamento do selo da Bica do Ipu (Fall of Ipu) em 12/12/2013, o Ipu ganhou projeção internacional, pois referido selo está a circular pelo mundo inteiro e é parte integrante dos melhores catálogos de selos do mundo, principalmente os alemães e americanos, enriquecendo as coleções dos milhões de colecionadores de selos dessa temática espalhados pelo orbe terrestre.

Como me referi anteriormente, a Estação Ferroviária de Ipu, é um dos ícones da cidade. Todos da geração se lembram dos saudosos tempos do trem em Ipu. Era a Estação o ponto de encontro diário de grande parte da população da cidade. Ao toque da sineta, anunciando a chegada próxima do trem, as pessoas se dirigiam em correria para lá. A Estação presenciou, sem dúvida, grandes momentos e episódios marcantes. Eram partidas e chegadas de entes queridos, encontros e desencontros, alegrias e tristezas, boas-vindas e despedidas, sorrisos e lágrimas, beijos e tapas, juras de amor e chiliques de ciúmes, inícios e términos de flertes e namoros. Enfim, as alegrias e as vicissitudes que povoam os fundos arcanos da misteriosa e insondável alma humana.

E, para resgatar a memória da Estação, apresentei projeto ao prefeito de Ipu, Sérgio Rufino, que, de pronto, o acolheu. Desenvolvi, então, esforços com amigo meu em Brasília, na época assessor do Ministro dos Transportes, que conseguiu a liberação para a Prefeitura Municipal de Ipu de uma máquina elétrica diesel para, juntamente com um vagão, formar a memória histórica do trem em nossa cidade.

Mas tudo tem um custo. Referida máquina está, há mais de dez anos, abandonada, junto com outras, no pátio da oficina da antiga REFESA, mais conhecida como Oficina do Urubu, em Fortaleza. O custo de recuperação para que ela fique 0 KM (só não funcionando) é de R$ 198.000,00 (cento e noventa e oito mil reais). A Prefeitura Municipal de Ipu, dada a situação difícil por que estão passando todas as prefeituras do país, não dispõe desse montante.

Fui, então, ao amigo Dr. Alexandre Landim, Chefe da Casa Civil do governador Camilo Santana, juntamente com o prefeito Sérgio Rufino, o qual nos recebeu muito bem, haja vista que fomos acompanhados do Dr. José Vanderlei Landim, amigo meu de Seminário e pai do Alexandre.

O Chefe da Casa Civil do Governo nos apontou o caminho mais prático, rápido e viável para solução do problema. Qual o caminho? Convencer os três deputados mais votados em Ipu para destinarem parte de suas verbas parlamentares para o projeto de recuperação da máquina. Conseguindo-se isto, Dr. Alexandre Landim liberaria, de imediato, o dinheiro.

Posta a solução, gostaria e espero que a Associação dos Filhos e Amigos de Ipu (AFAI), a Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes (AILCA) e o prefeito Sérgio Rufino desenvolvessem, conjuntamente, gestões e esforços junto aos três deputados mais votados em Ipu para que tenhamos essa máquina na Estação de Ipu o mais breve possível. A máquina e o vagão, como frisei, perpetuarão a memória histórica do trem na Terra de Iracema.

________________________________
*Olívio Martins é membro da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes (AILCA), técnico aposentado do Banco do Nordeste do Brasil (BNB).

Licenciado em Letras Anglo-Germânicas pela Universidade Federal do Ceará. Tem curso de pós-graduação na Bayerische Julius-Maximilians –Universität Würzburg (Alemanha). 
É professor aposentado de Língua e Literatura Portuguesa e Brasileira. Atualmente, dedica-se à Ecologia.
Escreve textos ao Blog Expresso Ipu sendo colunista colaborador.

**A reprodução do artigo acima transcrito é somente autorizada mediante citação da parte autoral!
Compartilhar

Sobre Rárisson Ramon

Rárisson Ramon, de Ipu - CE de nascimento e criação, é acadêmico de direito, faz participações em rádio e é blogueiro.