Onda Pokémon: Ipuenses já procuram pokémons raros no cemitério local

Foto: Repórter Francisco José

O fenômeno mundial Pokémon está transformando o modo de agir dos usuários que realizaram o download do aplicativo em seus respectivos aparelhos celulares. São inúmeros os casos de pessoas que estão a confundir o virtual com o real. Acidentes provocados por desvio de atenção por parte dos jogadores tem se tornado comuns no Brasil.


A caça por Pokémon tem resultado em acidentes fatais em alguns estados brasileiros. Casos inusitados dos jogadores entram para o ranking do inacreditável. Os locais mais bizarros e difíceis de se imaginar têm sido alvo de procura por pokemon.

Em Ipu, há relatos que uma garota subiu em uma árvore para tentar capturar um pokemon. Chegou-nos uma informação que ipuenses estão adentrando no cemitério da cidade com vistas a capturarem algum pokemon raro.

Se a onda continuar teremos daqui para a frente mais absurdos, a exemplo de treinadores ipuenses indo capturar algum pokemon no Gabinete do Prefeito, Fórum, Cadeia Pública, Delegacia, Confessionário do Padre, na Itaurnas da Itagira, "Lasca da Velha", localidade do Burdão, Lixão, Terreiro de Macumba, Bar do Mairton, Centro Cirúrgico, Capela do Patronato, Casa de Pedra da Bica, em locais de culto evangélicos, a meia noite na encruzilhada, na abandonada Pista de Pouso, dentre outros locais.

Espera-se que os utentes do aplicativo tenham mais racionalidade em seu uso para que evite-se a ocorrência de algum acidente na cidade. Que os pais orientem e fiscalizem os filhos menores sobre a utilização correta do aplicativo. 


Foto: minilua.com

O pokémon Rattata foi flagrado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados em discurso do juiz Sérgio Moro
Compartilhar

Sobre Rárisson Ramon

Rárisson Ramon, de Ipu - CE de nascimento e criação, é acadêmico de direito, faz participações em rádio e é blogueiro.